Mudando para o Linux

quinta-feira, 5 de abril de 2007



Eu sempre fui usuário de Windows. Comecei a interagir com computadores, na época do Windows 3.11, passei pelo Revolucionário Windows 95, pelo Impressionante Windows 98SE, pela bomba do WindowsMe, pelo Pesadão Windows 2000, pela outra bomba do WindowsXP Home, pelo parceiro de todas as horas, o XP Profissional, pelo todo burocrático Windows Server e finalmente pelo Rinoceronte Fosforecente do Windows Vista.

Sempre me dei muito bem com as Janelas. Sim, admito que comecei como todos começam: um usuário-padrão. Daqueles que se divertia fazendo textos no Word e figuras no Paintbrush (na época ainda era Paintbrush ;-) )

Depois evoluí de usuário-padrão para usuário-shaman, que eu acho que é de todos o pior tipo. O usuário-shaman enxerga os computadores como um artigo holístico e tudo tem o seu ritual. Já vi usuários desta categoria deletar todos os jpgs do computador porque leu na web que havia saído um vírus que exploitava jpgs. Nos computadores de usuário-shaman encontra-se Anti para tudo. É anti-vírus, anti-spyware, anti-malware, anti-cavalo de tróia, anti-popup... Usuários-shaman possuem um conhecimento maior do que os usuários-padrão, mas são muito, muito desconfiados.

Depois do usuário-shaman eu me tornei um power-user e muito tempo depois um Sys-Admin. Sim, como todo aficcionado por Windows, formatei e reinstalei tudo inúmeras vezes. Aprendi muito usando as janelas e, sempre esperei as novas versões com avidez, querendo mais tecnologia, mais inovações.

Sempre olhei o mundo linux meio de longe, com aquele olhar de quem quer chegar mas não tem coragem. Já tentei usar o pinguim várias vezes, instalei e desinstalei as mais variadas distros e sempre acabei deixando de lado por não ter paciência para aprender tudo de novo. Porque aprender Linux é isso, é reaprender a andar. A falar um novo idioma. Claro, distros pré-configuradas para usuários-parão existem aos baldes, algumas muito boas e outras nem tanto. Usuários-padrão não teriam o menor problema para usar uma distro durante dias, desde que ali estivessem atalhos para um media player, um editor de textos e um navegador de internet.

Mas, nós não queremos ser sempre usuários-padrão, não é? ;-)

Voltando a falar das janelas, eu testei o Windows Vista. O Novo Eye-Candy-ultra-pesado da Microsoft. Devo admitir, realmente muito bonito. A cada clique que eu dava, rolava aquele lance de espectativa para saber qual tipo de barulho o Windows iria fazer, qual tipo de frescura visual iria aparecer e de qual cor aquele ícone iria brilhar. Mas, o time do Bill fez a coisa de uma forma pesada demais. O meu Sempron@2800+DDR512 não suportou. Em menos de uma semana eu me irritei e desinstalei, voltando ao XP velho de guerra. Não impressionou pela mudança técnica (não da forma Win98SE x WinXP), não impressionou pela velocidade, nem pela estabilidade. Impressionou sim, pelo peso. Tá certo, é bonito. Mas é pesado. Tipo um Rinoceronte Fosforecente.

Recentemente, incentivado pelo amigo Phoenix (que logo logo virá postar aqui também) eu instalei o Ubuntu. Resolvi dar mais uma chance ao Pinguim. E tudo funcionou perfeitamente bem.

E por isso estamos aqui. Aqui, iremos falar das experiências de uma turma que está vindo do mundo das Janelas. Uma turma que sempre admirou a iniciativa Linux, mas nunca realmente tinha encarado a "encrenca".

Estamos mudando para o Linux. E vamos contar o que estamos inventando lá. :-)

4 comentários:

preto disse...

desafio aceito.

mas ainda acho que preciso de mais espaço...nao quero chegar a 256k livre igual um cara q eu conheço.

ICE disse...

Sou pior, vi o linux nascer, fiz o curso do conectiva 8 depois fui trabalhar com windows, laguei de mão o o pinguim de novo, ensaei um volta e no meio do caminho encontrei o solaris e to tentando se entender com 2003, linux e solaris!!!!

Phoenix disse...

Pois é...o tempo não perdoa e lá se vão alguns 'muitos' anos de caminhada. Esse excelente post do Mega, descreve a linha traçada por muita gente e por esses lados, não foi diferente.
Minha relação com Software Livre sempre foi estreita. Sempre fui adepto da cultura propriamente dita. Com o SO nem sempre fui bem recebido. Muitas foram as cabeçadas, mas o lema 'retroceder nunca, render-se jamais' sempre imperou e logo vieram as recompensas.
Enfim...não vou me estender muito. Em breve, estaremos publicando o que de melhor (e mais maluco) temos feito no 'fantásticamente' poderoso Ubuntu.
Abraços à todos!

Luciano Blues disse...

Passei exatamente por isso.

Hoje sou um usuário Linux Ubuntu há 1 mês! E sou feliz bagarai, coisa que nunca imaginava.

Parabéns pelo blog!