Master System (Emulando sua infância, parte 3)

sábado, 13 de fevereiro de 2010

Olá.

Ainda na era 8bits, o grande rival do NES, era o bom Master System.

História

Lançado inicialmente no Japão em 1986, ele enfrentou grandes dificuldades devido a forte concorrência do Famicom da Nintendo.

A Nintendo possuia contratos de exclusividade junto as produtoras de jogos. O contrato não permitia que elas produzissem jogos para nenhum outro aparelho, fazendo com que o Master System dependesse somente dos lançamentos desenvolvidos pela SEGA.

O baixo sucesso no Japão não evitou que a SEGA lançasse o Master System no resto do mundo. Nos Estados Unidos o domínio da Nintendo também era muito grande, e logo a SEGA vendeu os direitos de comercialização do Master System nos EUA para a Tonka, mesmo assim a popularidade do aparelho foi diminuindo.

Na Europa a história foi diferente. O Master System foi bem aceito e se tornou muito mais popular que o console da Nintendo. Diversos desenvolvedores europeus produziram jogos para o Master System, e o aparelho teve suporte da SEGA Européia até 1996 (em contraste a SEGA Americana, que desistiu do console já em 1992). Para se ter uma idéia, os jogos de arcade da Sega convertidos para o Master System faziam tanto sucesso na Europa, que a empresa Tengen lançou versões (não licenciadas) de vários desses games para o console da Nintendo. Evidentemente que a qualidade desses títulos não chegavam nem perto das versões para o Master System. Alguns exemplos são: Shinobi, After Burner e Out Run. O sucesso do Master System se repetiu também na Austrália, um mercado que toma como base o mercado europeu.

No Brasil repetiu-se a situação da Europa. O Master System foi produzido e vendido pela Tec Toy a partir de setembro de 1989 e atingiu um grande sucesso. O Master System lançado pela Tec Toy era o mesmo modelo vendido nos Estados Unidos. Já o Master System II produzido pela TecToy possuía o mesmo desenho do primeiro mas era mais barato e vinha com outros jogos. A Tec Toy ainda lançou o Master System III Compact, que possuía um novo desenho (o mesmo desenho do modelo lançado como Master System II nos EUA e Europa), e diversos modelos portáteis chamados Master System Super Compact, inclusive uma versão rosa desenvolvido para garotas. Além disso, a Tec Toy desenvolveu alguns jogos exclusivos (leia-se adaptações de outros jogos da Sega, trocando os personagens) para o mercado brasileiro (como versões da série Wonder Boy in Monster Land, estrelados pela Turma da Mônica) e converteu diversos jogos lançados para o portátil Sega Game Gear para o Master System, aumentando ainda mais a biblioteca de jogos disponíveis. Vale lembrar ainda que a Tec Toy converteu para o Master System, em 1997, Street Fighter II, sendo o jogo de maior tamanho em MiB do sistema. A Tec Toy ainda comercializa o Master System com diversos modelos novos, que já vem com jogos instalados na memória.


Características

O Master System original aceita jogos em cartuchos e cartões. O tamanho máximo de um jogo em cartão é de 32KBits, enquanto o maior jogo lançado em cartucho possui 8MBits. O suporte a cartões foi abandonado nas versões posteriores do aparelho.

Existem diferenças entre o Master System original lançado no Japão e o modelo comercializado no resto do mundo. No modelo japonês o slot de cartuchos é de tamanho diferente, no lugar do botão RESET existe o botão RAPID FIRE (que ao acionado habilita a repetição automática das ações ativadas pelos botões dos controles), existe uma entrada para o plug do óculos 3D que dispensa assim o uso do adaptador, e vem com um chip de som FM (YM2413) que possibilita músicas muito mais elaboradas (infelizmente esse chip foi removido na versão vendida no resto do mundo). Excluindo essas diferenças, visualmente o desenho do aparelho é idêntico à versão lançada no resto do mundo. (OBS: O design do Mark-III, porém, era completamente diferente).

Apesar da diferença de tamanho do slot de cartuchos entre o aparelho japonês e o aparelho lançado em outras regiões, é possível rodar os jogos lançados no resto do mundo no aparelho japonês, desde que se construa um adaptador. O contrário já não é possível, pois os jogos disponibilizados no mercado Japonês não possuem um cabeçalho que é requerido pelos Master System lançados fora do Japão. Existem projetos caseiros que resolvem esse problema, mas envolve alterar a BIOS do Master System, uma operação as vezes complicada para usuários sem experiência com eletrônica.


Jogos Famosos
  • Alex Kidd in Miracle World - Alex Kidd tornou-se mascote do console (e da companhia) e o jogo chegou a vir na memória (no Master System II europeu e brasileiro e nos primeiros modelos do Master System III)
  • Double Dragon - Boa conversão dos arcades deste clássico dos games de luta de rua. 30 giratórias na fase final garantia continue infinito.
  • Mônica no Castelo do Dragão - versão de Wonder Boy in Monster Land da Tec Toy, estrelado por Mônica
  • Phantasy Star - Deu origem à série de RPG da Sega, sendo o primeiro traduzido para o português, em resposta ao Final Fantasy da Square.
  • Safari Hunt - Primeiro jogo a utilizar a pistola Light Phaser. Jogo de tiro bem divertido. Acertar a pantera negra garatia mais pontos.
  • R-Type - Famoso jogo de tiro espacial vindo dos fliperamas. Excelente conversão.
  • Shinobi - Ninja deve salvar crianças seqüestradas e enfrentar chefes ao fim das fases. Fase de bônus em primeiro plano onde você deve abater ninjas com estrelas shuriken e ganhar magias. Boa adaptação do arcade.
  • Snail Maze - Labirinto incluído na BIOS do sistema. Acessado apertando Cima, 1 e 2 sem nenhum jogo no console.
  • Sonic the Hedgehog - port do 1º jogo de Sonic para Mega Drive
  • Sonic the Hedgehog 2 - estréia de Tails, lançado antes da versão do Mega Drive.

Emulador

Mesma coisa dos anteriores. Existem boas opções de emuladores de Master, então vou destacar o MEKA.

O MEKA é um emulador desenvolvido para jogos da plataforma Sega Master System. Ele também emula SG-1000, SC-3000, SF-7000, Sega Mark III, Sega Game Gear, ColecoVision e Othelo Multivision. Ele possui suporte para imagens de ROM em formato ZIP, pode salvar screenshots no formato PNG e pode criar arquivos de salvamento para o Master System e Game Gear.

Acontece que o MEKA não tem um port nativo pra GNU. Portanto, é necessário o uso do WINE. Mas não há maiores segredos. Para instalá-lo:

sudo aptitude install wine

Em seguida, faça o download do MEKA no site oficial. Eis o link direto: http://www.smspower.org/meka/download.shtml

Alí existe a versão GNU, mas não entendi muito bem, já que essa versão também é .exe (que continua precisando do Wine). Portanto, prefira a versão mais recente, que é a 0.72.
Descompacte e execute o .exe com o Wine (clique direito e 'Open with WINE...').
Na primeira tela, faça apenas a escolha do idioma e avance. O emulador será executado (a princípio, em fullscreen). Para reverter em janela, basta um ALT+ENTER ou vá em VÍDEO, Tela Inteira.

O MEKA tem algumas opções interessantes. Vou destacar algumas:
Em VÍDEO, Temas, podemos alterar o tema da interface principal. Tem vários opções bacanas; Ainda em VÍDEO, é interessante alterar para o formato TV Mode, dentro de Padrões. Isso fará com que o scanline fique ativo em fullscreen.
No menu FERRAMENTAS, é possível ativar/desativar as mini-janelas dentro do emulador (Paleta não é muito útil e Configurações de entradas, só é funcional na primeira vez, para configurar os controles). Sobre controle, é possível configurar de diversas maneiras (joy de PS2 funcionando perfeito aqui). No mais, é o de sempre, para abrir as roms, é só ir em PRINCIPAL, Abre ROM e partir pra jogatina. =)

Referências: wikipédia, MEKA

2 comentários:

Orakio "O Gagá" Rob disse...

Além do Meka, tem também o Kega Fusion, portado recentemente para o Linux. E o Mednafen, que é de linha de comando e roda vários outros consoles também (meu emulador favorito).

E não sei se você conhece a Gazeta de Algol, meu site sobre Phantasy Star, mas estamos trabalhando na tradução do remake de Phantasy Star I lançado para o Playstation. Eu estou fazendo um "diário de bordo" enquanto vou traduzindo o script. O Diário você acompanha no Gagá Games, meu blog sobre games velhos (clica aí no meu nome que você vai ser levado direto para o post no qual eu falo sobre a tradução).

Um abraço!

Diego disse...

Excelente Post! Infelizmente, nao lembro da era Master System (nunca cheguei a jogar um) :(

Irei ver esses RType. Adoro jogos de nave :D